Crítica | 'Querida Sue', de Jessica Brockmole

Fonte: Editora Arqueiro. 
Para ser honesto, desde que me deparei com a capa e sinopse de “Querida Sue”, tive a sensação de que se tratava no mínimo de uma boa história. O livro é escrito em formato epistolar, ou seja, em forma de cartas. Estas correspondências passam-se no período da primeira e segunda guerra mundial, e foram escritas e destinadas por e para pessoas diferentes.

A primeira carta é escrita por David, um rapaz que se sente na obrigação de escrever para uma escritora de poesias que o libertou de todo o tédio em meio a uma recuperação física. Ou seja, o encantou com sua escrita, fazendo com que ele simplesmente esquecesse toda a fase nada agradável que estava vivenciando e entrando, literalmente, no mundo escrito por ela.

Ao receber a correspondência a autora fica muito surpresa, emocionada e animada. Afinal, David é seu primeiro fã. Terminando a leitura da carta recheada de inúmeros elogios e agradecimento de David, Elepheth resolve responder ao admirador de sua escrita. O que deveria ser apenas uma troca rápida de elogios e agradecimento vai se tornando algo extremamente único e necessário na vida de ambos.

O conteúdo presente nas cartas entre os dois personagens vai se tornando cada vez mais pessoal. Davye e Sue, como preferem ser chamados, vão se conhecendo cada vez mais com o passar dos anos, e criando laços, mesmo na época de guerra em que vivem, a 1ª guerra mundial. Porém, esse mesmo período de certo modo é um empecilho gigantesco na relação que eles vêm criando e idealizando.

Numa época mais a frente, para ser mais especifico na segunda guerra mundial, conferimos a história de Margaret e Paul, ambos são amigos a princípio, mas com o passar do tempo vão se tornando algo mais. Mas ao mesmo tempo em que Margaret tem que lidar com esse novo sentimento presente em seu peito, ela também terá que responder as cartas de sua mãe que parece nada satisfeita com envolvimento dela com o rapaz.

A mãe de Margaret por sua vez, sempre escondeu da jovem a real identidade de seu pai, e isso junto às atitudes recentes e bastantes receosas de sua mãe faz com que Margaret rume em busca do passado da mãe e de sua origem.

A história presente nesse livro, gera certo medo de se falar muito e passar a mensagem final da obra. Mas de modo geral, a história é muito bem escrita e construída. Os cenários são incríveis, assim como os personagens que conseguem passar inúmeros sentimentos através das trocas de correspondências, sejam eles, sentimentos afetivos ou os mais complexos, como o medo ou a curiosidade em relação ao período conflituoso e de guerra que vivem.

Jessica Brockmole soube dosar muito bem os gêneros: romance, drama e de certo modo o suspense. Afinal, a cada carta trocada por Davye e Sue, ficamos mais curiosos para entender qual será o desfecho para aquela história de amor. O mesmo pode ser dito em relação ao romance vivido por Margaret e Paul, além de nos vermos mais curiosos ainda para tentar entender toda a relutância da mãe da garota. Afinal, ela parece entender muito bem que a querida filha pode ferir feio seu coração.

“Querida Sue” possui um romance que certamente vai agradar aos mais sonhadores, realistas, e principalmente aos leitores mais sensíveis e que não resistem a uma história com escrita rica e delicada.

Por fim, uma história que me fez rir, chorar, e ao finalizar desejar bem mais, quem sabe até mesmo uma futura obra cinematográfica.

Você e eu temos sorte. Nunca tivemos que nos preocupar com  a primeira parte, a avaliação visual. Entramos direto na parte interessante. Em conhecer as profundezas e amplitude da alma um do outro. Página: 64.

Título: Querida Sue.
Autor(a): Jessica Brockmole.
Editora: Arqueiro.
Número de Páginas: 255.
Avaliação: 5/0.

You Might Also Like

11 comentários

  1. Não conheço o livro mas pela maneira como falas dele parece bem interessante! :)
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  2. Oi! Eu amei esse livro e fico feliz por você ter gostado também. Bjos <3

    http://clickliterarioblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Nossa Renato, que proposta legal a do livro! Gosto muito de livros que se ambientam na guerra, parecem mais humanos sabe? E também gosto dessa forma de escrita, já li vários assim, mas de psicopatas. acredita?

    bjs, Carol | Espilotríssimo
    www.carolespilotro.com

    ResponderExcluir
  4. Que bom que já conhece e gosta de With Confidence :)
    Eu como sempre não li e nem conhecia esse livro, não sei se gosto muito dessa coisa de se passar na guerra e tals...

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que linda essa frase! Parece ser uma história cativante.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Renato.
    Faz tempo que quero ler esse livro, desde que li uma resenha dele no blog da Ane. Adoro livros que se passam durante as guerras e esse tem o diferencial de ser escrito por cartas. Assim que der eu vou ler porque sei que ele vai me emocionar.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Um romance feito de cartas, que interessante essa premissa. E desconfio que as duas histórias se misturem ao longo da trama... Muito bacana a indicação!

    ResponderExcluir
  8. Oie Renato =)

    Sou suspeita para falar desse livro. Ele é sem sombra de dúvidas um dos livros mais lindos e especiais que li em minha vida <3

    Tenho um carinho muito especial pela história e seus personagens.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  9. Nunca li esse livro e é a primeira vez que leio sobre ele, mas já ganhou meu coração pelo assunto. Parece ser um livro bem impactante! Quero muito ler. Vou ver se da pra baixar
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Renato,

    Já ouvi falar desse livro? Mas nunca parei para ver sobre a história.
    Mas gostei muito do jeito do livro, vou anotar como dica.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Na correria dos meus dias e tendo tantas bibliografias obrigatórias na pós, confesso que falta pouco tempo para ler um livro de cunho particular, mas assim que vi essa capa, me encantei e realmente criei interesse na leitura a partir da sua resenha. Obrigada pela dica Renato. Seu blog é de utilidade pública♥

    Um beijo!

    Deh Will
    gotasdevalor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir